1ª Temporada 1952



Episódio "A Pílula Falante" (1952)

Adaptado pela amiga pessoal de Monteiro Lobato e escritora Tatiana Belinky, “A Pílula Falante” foi o primeiro episódio do Sítio do Picapau Amarelo a ir ao ar na televisão brasileira. Neste episódio, Narizinho conhece o Príncipe Escamado e o Mestre Cascudo. A menina também é levada para conhecer o Reino das Águas Claras, onde conhece o Pequeno Polegar e o ajuda, pois este havia fugido das histórias da Dona Carochinha. A menina também conhece o Major Agarra, o dorminhoco sentinela do palácio; Conhece Dona Aranha, a costureira das fadas e o Doutor Caramujo, que dá uma de suas pílulas falantes a sua boneca de pano – Emília – que passa a falar pelos cotovelos.

No elenco estavam:
Paulo Basco: Doutor Caramujo
Ricardo Gouveia: Rabicó
Lúcia Lambertini: Emília
Rubens Molino: Visconde
Benedita Rodrigues: Tia Nastácia
Lídia Rosemberg: Narizinho
Sérgio Rosemberg: Pedrinho
Sidneia Rossi: Dona Benta

Sob a direção de Júlio Gouveia, o episódio estreou no dia 3 de junho de 1952 (uma quinta-feira, às 19:30). Ao contrário do que se conta nos blogs sobre o Sítio desta época, cada episódio tinha a duração de 45 minutos, sendo apresentados apenas nas noites de quinta-feira. Neste episódio usou-se dois cenários: a varanda do Sítio do Picapau Amarelo, cenário fixo, e o Reino das Águas Claras, montado na hora para a apresentação do episódio, uma vez que este era apresentado ao Vivo. Os recursos da época eram limitados e para fazer a magia e mostrar que o Reino das Águas Claras se localizava no fundo da água, Júlio teve a ideia de colocar um aquário na frente da lente da câmera.
O programa abria-se com uma cena mostrando Júlio Gouveia abrindo um livro, para deixar claro que a história era uma adaptação dos livros, ao som da música “Dobrado”, de Salathiel Coelho. Ao final, mostrava Júlio fechando o livro.
A ideia de produzir episódios do Sítio para a TV partiu do diretor Júlio Gouveia, que durante uma festa de aniversário, observando que as crianças estavam cansadas de brincarem com as mesmas coisas, improvisou o ensaio, ali mesmo, de uma peça teatral – Peter Pan. O resultado desse improviso foi a criação de um grupo de teatro amador que apresentava trabalhos infantis para a prefeitura do Rio de Janeiro.
Júlio escreveu uma tese na qual apresentava e defendia o teatro infantil como veículo de transmissão de conhecimento. Com este trabalho participou do I Congresso Brasileiro de Teatro. O trabalho de Julio impressionou os diretores do único canal de TV que existia no país, a TV Tupi.
Em 1948, convidado para trabalhar para o canal, onde adaptaria peças teatrais para o Programa TESP “Teatro Escola de São Paulo”, teve a ideia de adaptar , junto com sua esposa, Tatiana Belinky, as histórias de Monteiro Lobato para a telinha. As histórias adaptadas pelo programas eram bem vistas e a audiência agradava. Contudo, foi com a produção do episódio "A Pílula Falante" que a audiência do Programa TESP aumentou absurdamente. Decidiu-se, então, aproveitar o sucesso e criar o Sítio do Picapau Amarelo. Este primeiro episódio foi reprisado (a reprise consistia na reencenação do texto), e no dia 3 de junho foi ao ar o primeiro episódio do Sítio para a TV.

(Final de Semana que vem) Episódio... “O Casamento de Emília”. Na próxima Semana. Você não vai poder perder.

Episódio "O Casamento de Emília" (1952)
O segundo episódio do Sítio do Picapau Amarelo de 1952 foi "O Casamento de Emília". Para esse episódio, Tatiana Belinky aproveitou o livro de mesmo nome, hoje compilado em "Reinações de Narizinho", e contou a história do casamento de Rabicó com Emília.
Na trama, Narizinho e Pedrinho criam a brincadeira de dizer que o porquinho do Sítio é um Marques e tenta casar sua bonequinha com ele, fazendo-a nobre também.
Para a realização do episódio, apenas um cenário foi utilizado. Júlio Golveia adaptou o enredo escrito por sua esposa e fez a cena ocorrer toda na frente da casa, ao invés de ocorrer dentro da sala.
Assim, houve a cena do noivado. A interrupção dos cortejos do Marquês e sua substituição pelo Vidro Azul. Culminando no casamento realizado e com a presença de todos.
O texto do livro foi adaptado em poucas partes, tendo Tatiana Belinky preservado o texto de Lobato, nessa história, quase que por inteiro.
Segundo a ficha de creditação do episódio, estavam no elenco desse episódio:
Paulo Basco: Doutor Caramujo
Ricardo Gouveia: Rabicó
Lúcia Lambertini: Emília
Rubens Molino: Visconde
Benedita Rodrigues: Tia Nastácia
Lídia Rosemberg: Narizinho
Sérgio Rosemberg: Pedrinho
Sidneia Rossi: Dona Benta
O episódio teve apenas um capítulo e foi ao ar no dia 10 de junho de 1952 no Programa TESP, às 19:30, numa quinta feira.

Episódio "O Gato Felix" (1952)
O personagem Gato Félix era bem mais conhecido na época na abordagem com que se vê na obra de Monteiro Lobato. Este foi o terceiro episódio a ir ao ar no ano de 1952. Quando surgiu, o personagem Gato Félix era mal, por isso aparece em Lobato como mal. Nas adaptações posteriores, ele é trocado por um "falso Gato de Botas", mas em 1952 a versão original foi mantida. O roteiro escrito pela escritora Tatiana Belinky e o episódio teve direção de Júlio Gouveia. Uma curiosidade é que o nome de Monteiro Lobato era creditado como escritor do episódio, aparecia assim:
Diretor: Julio Gouveia
Escritores: Tatiana Belinky e Monteiro Lobato
Estrelando: Ricardo Gouveia, Lucia Lambertini e Rubens Molino.

Na trama, aparece um gato no Sítio que apronta na surdina, ganhando a confiança de todos da casa. Até que o Visconde empenha-se em descobrir o sumiço dos pintinhos do galinheiro e acaba por descobrir que o gato é na verdade um ladrão.
Para a realização do episódio, apenas um cenário foi utilizado. Júlio Gouveia mais uma vez adaptou o enredo escrito por sua esposa e fez a cena ocorrer toda na frente da casa, ao invés de ocorrer dentro da sala(como no livro).
Segundo a ficha de creditação do episódio, estavam no elenco desse episódio:
Ricardo Gouveia: Rabicó
Lúcia Lambertini: Emília
Rubens Molino: Visconde
Benedita Rodrigues: Tia Nastácia
Lídia Rosemberg: Narizinho
Sérgio Rosemberg: Pedrinho
Sidneia Rossi: Dona Benta
O episódio teve apenas um capítulo e foi ao ar no dia 17 de junho de 1952 no Programa TESP, às 19:30, numa quinta feira.

Episódio "O Irmão do Pinóquio" (1952)
No São João de 1952, foi ao ar o quarto episódio do Sítio do Picapau Amarelo. Naquele 24 de junho, o episódio a ir para a telinha foi "O irmão do Pinóquio". Que contava a história de Pedrinho tentando encontrar uma madeira falante no Sítio e assim criar um irmão para o personagem Pinóquio dos Contos de Fadas. A história, que teve 45 minutos de duração e apenas um capítulo, como era normal naquela época, foi subdividida em dois episódios. Nesse episódio, o foco foi a busca pela madeira falante, e a briga entre Pedrinho, Visconde e Emília. O roteiro de Tatiana Belinky foi bem adaptado de forma que a história embora dividida, tenha tido um fim sem deixar a entender que teria uma continuação. A história de fato, do boneco de madeira que Pedrinho cria seria contada no episódio que iria ao ar no dia 1 de julho daquele ano.
Observe a ficha técnica deste episódio logo abaixo:
Diretor: Julio Gouveia
Escritores: Tatiana Belinky e Monteiro Lobato
Estrelando: Ricardo Gouveia, Lucia Lambertini e Rubens Molino.

Segundo a ficha de creditação do episódio, estavam no elenco desse episódio:
Paulo Basco: Doutor Caramujo
Ricardo Gouveia: Rabicó
Lúcia Lambertini: Emília
Rubens Molino: Visconde
Benedita Rodrigues: Tia Nastácia
Lídia Rosemberg: Narizinho
Sérgio Rosemberg: Pedrinho
Sidneia Rossi: Dona Benta
O episódio teve apenas um capítulo e foi ao ar no dia 24 de junho de 1952 no Programa TESP, às 19:30, numa quinta feira.
Os dados sobre esse episódio são bem poucos. Mas é possível fazer uma boa apresentação dele. Segundo o  Arquivo Internacional de Séries, o episódio "João Faz de Conta" foi ao ar com o seguinte elenco:

Lúcia Lambertini: Emília
Rubens Molino: Visconde
Benedita Rodrigues: Tia Nastácia
Lídia Rosemberg: Narizinho
Sérgio Rosemberg: Pedrinho
Sidneia Rossi: Dona Benta
Com certeza houve a participação de outros atores, mas não foram creditados, razão pela qual não conseguimos recompor o elenco original completo.
Tatiana Belinky ao adaptar esse episódio tomou o cuidado de fazê-lo independente do episódio anterior ( O Irmão do Pinóquio), embora no livro formem uma história só.
Estrelava na creditação Benedita Rodrigues, Rubens Molino e Lucia Lembertini.
Esse episódio contou a história de um boneco de madeira feito por Tia Nastácia, que por ser tão feio ganhou o nome de João Faz de Conta (que não é feio). Logo, o boneco é abandonado pelas crianças, mas graças a Narizinho, o boneco acaba ganhando vida para salvá-la.
O episódio teve a duração de 45 minutos e foi ao ar no dia 1 de julho de 1952, exatamente às 19:30 da noite.
Como todo episódio de 1952, poucas informações se encontram a respeito deste episódio. Contudo, com uma boa pesquisa foi possível descobrir alguns detalhes dessa aventura.
O enredo girou entorno da aventura final envolvida pelo personagem João Faz de Conta (que já vimos nos dois episódios anteriores). Embora Tatiana Belinky tenha tomado o cuidado de fazer as três histórias sem que uma fosse notada como complementação da outra, é no episódio "O Alfinete do Pobinho Carijó" que a aventura iniciada em "O irmão do Pinóquio" e continuada em "João Faz de Conta" teve fim. Há ainda um novo concurso no Sítio. Dessa vez para eleger a melhor ideia: entre as propostas, acaba vencendo a ideia de fazer um circo no Sítio. Mesmo sem ficar no ar que esta aventura teria uma continuação, as aventuras de criação de um circo só seria concretizada nos episódios seguintes.
Em pesquisa, foi possível resgatar as informações que foram creditadas quando este episódio foi ao ar:
Direção: Julio Golveia
Escritores: Tatiana Belinky e Monteiro Lobato (autor)
Estrelando: Lúcia Lambertini, Rubens Molino e Benedita Rodrigues.
No elenco:
Lúcia Lambertini: Emília
Rubens Molino: Visconde
Benedita Rodrigues: Tia Nastácia
Lídia Rosemberg: Narizinho
Sérgio Rosemberg: Pedrinho
Sidneia Rossi: Dona Benta

O episódio teve a duração de 45 minutos e foi ao ar no dia 8 de julho de 1952, exatamente às 19:30 da noite.